F7 Sistemas – Criar Sites , BH, Santa Luzia , MG

Os 17 personagens mais poderosos da DC

Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]

Receba os artigos diretamente no seu email


Quem são os personagens da DC mais poderosos? Originalmente esta seria uma lista simples, mas em verdade o Universo DC é muito mais multíplice, vide a premência de várias crises para organizar a confusão. Mesmo assim, depois de muito trabalho cheguei a uma seleção de seres, entidades e similares. Fique livre para discordar nos comentários. Sugestões veementemente de “get a life” também são muito-vindas, estou precisando.

Porquê sempre, algumas regrinhas: não listei entidades cósmicas muito etéreas, daquelas que nunca aparecem, nem versões alternativas, one-shots ou versões do horizonte. Eliminei repetições, porquê Miguel e Lúcifer, e também limei entidades mágicas, magia sempre foi alguma coisa muito imprevisível no Universo DC. Eu não tenho vida e, mesmo assim, não tenho paciência para pensar se o Dr Oculto é mais poderoso que a Zatanna.

Supergrupos também foram eliminados, muito porquê o Sr Mxyzptlk, primeiro por não fazer sentido um ser de poderes quase infinitos e que não serve para zero exceto aporrinhar o Sups. Segundo, eu não tenho paciência de permanecer dando copy/paste no nome. Logo, vamos à lista:

Supergirl

Kara Zor-El teve várias encarnações. Criada em 1958, Kara é filha de Zor-El, irmão de Jor-El e portanto prima do Superman. Ela nasceu em Argo City, uma cidade que sobreviveu à devastação de Krypton, mas acabou destruída mais tarde, com Kara sendo colocada em um foguete para a Terreno, aonde deveria encontrar seu primo.

Ela teve bastante popularidade nos anos 60/70 e foi importante o suficiente para sua morte ser significativa em Crise nas Infinitas Terras, depois da qual Kal-El se tornou o único kryptoniano vivo. Só que, fora o Tio Ben, ninguém morre por muito tempo em quadrinhos. Supergirl voltou em várias formas, incluindo Kara Zor-L, da Terreno 2, que depois viraria a Poderosa. Ela também foi uma tamanho de protoplasma sintético em forma humana chamada Matrix.

Seus poderes são os mesmos do Superman, só não na mesma intensidade, e por ser mais contida, ela não desculpa tanto estrago, mesmo assim Kara é tão poderosa que chegou a matar o Lobo, mas era a versão emo dos Novos 52 logo não conta tanto.

Mulher Maravilha

Criada por William Moulton Marston, o inventor do detector de mentiras, a Mulher-Maravilha teve um prelúdios difícil. Refletindo o estilo de vida não-convencional de seu fundador, as histórias tinham um tempero sadomasoquista, com cenários de humilhação, bondage e subjugação dos papéis masculinos que são confundidos até hoje porquê propaganda feminista, mas era fetiche mesmo.

Apesar desse início tempestuoso a mitologia da Maravilha era boa demais, todo o concepção das Amazonas, Themyscira, os deuses gregos, tudo caiu no paladar popular. A imagem da personagem da DC também é extremamente poderosa. Hoje Diana é uma das Três Grandes, dividindo com Batman e Superman o triunvirato da editora.

Em termos de poder, varia. Diana perde, mas machuca o Superman em uma combate, dependendo da versão ela é uma semideusa, ou uma diva completa. Em outras é menos poderosa, mas quando usa sua gládio ou o laço, mesmo Kal-El precisa se cuidar. De secretária e modista ela virou um ícone, tanto no Universo ficcional quanto no nosso, inspirando milhões de meninas décadas afora.

Poderosa

Kara Zor-L teve sua biografia aproveitada para a Supergirl da TV. Ela é uma Kryptoniana da Terreno 2, um universo paralelo. Mandada para a Terreno por seus pais, ela viajou por vários anos, crescendo e sendo educada por veras virtual, chegando à Terreno já adulta. Depois de várias reformulações, inclusive adotando o nome Karen Starr e se tornando uma rica e reluzente observador da computação, Kara vem para a Terreno Prime, mantendo a identidade de Powergirl.

Ao contrário da Supergirl, a Powergirl não é tão boazinha otimista e fã do espírito humano e, por ser uma mulher já adulta, seus poderes kryptonianos estão no sumo. Isso a torna muito mais próxima do Superman.

A personagem da DC gerou alguma controvérsia entre os não-leitores por qualquer tempo, por assim porquê a Estelar dos Novos Titãs, Powergirl ser uma mulher extremamente autoconfiante, consciente da própria sexualidade e sem problemas de incorporar isso em sua aspecto. Isso a destacou mesmo em um envolvente onde todo mundo está de sunga ou maiô e seu uniforme com “janela de peito” (‘boob window’ é tão mais simpático) chegava a incomodar outros personagens.

Óbvio, uma mulher capaz de esmigalhar montanhas se veste do jeito que quiser e, eventualmente, ela abandonou o decote, cobrindo-o com o escudo da Moradia de El, uma troca digna, eu diria.

Shazam

O artista formerly known as Capitão Marvel é um dos mais antigos super-heróis, um personagem puro criado em uma era simples, e isso se reflete no samba do crioulo doido que é sua gênese, herdando poderes de um mago avito que inventou o concepção de sigla, em um show de sincretismo envolvendo:

  • Salomão – Rei na mitologia hebraica
  • Hércules – Semideus na mitologia romana
  • Atlas – Titã na mitologia grega
  • Zeus – Deus na mitologia grega
  • Aquiles – Humano sortudo na mitologia grega
  • Mercúrio – Deus na mitologia romana

Logicamente, a combinação desses poderes gerou um sujeito fortão em uma malha colante.

Quando a Fawcett comics faliu e os personagens foram revertidos para a DC, Marvel veio no pacote, mas não foi muito usado, inclusive por motivo de processos envolvendo uma editora das quais nome não me recordo. Talvez a memória afetiva tenha mantido o Capitão Marvel vivo por todos esses anos e, de sujeito que brigava com uma lagarta megalomaníaca, ele se tornou o mortal mais poderoso da Terreno.

Quando pronuncia o nome do mago, Billy Batson se torna o Capitão Marvel, e essa é sua fraqueza. Na maioria das versões, ele é uma petiz em um corpo superpoderoso, falta-lhe experiência e maturidade, mas com o passar do tempo ele se torna uma força formidável. Na cintilante e linda Reino do Amanhã, de Mark Waid e Alex Ross, um Shazam já velho tem um último embate com o Superman, em perceptível momento ele diz a termo-mágica, dá um passo para trás e deixa toda a força do relâmpago mágico atingir o pobre Kal-El. Doeu.

Superman

Kal-El é o último fruto de um planeta morto. Em seus primórdios, ele não podia voar e era pouco mais possante que um Capitão América da vida. Aos poucos foi ganhando mais poderes, alguns questionáveis e, no final, se tornou uma entidade onipotente e invencível ou seja, tedioso. Reformulado, Superman passou pela mão de John Byrne, que no círculo Mundos de Krypton estendeu mais a mitologia do que em todas as décadas passadas.

Superman para muitos é um símbolo de poder, mas ele é mais que isso, é um símbolo de esperança, de fazer a coisa certa, de sacrifício. Antigamente, ele defendia o American Way, hoje ele representa os ideais ainda não alcançados, ele é o poder sumo, com a responsabilidade e maturidade que se espera dos grandes homens.

Ao contrário do Hulk, que fica mais possante quanto mais com raiva fica, o poder do Superman vem de sua força de vontade, seu compromisso em fazer a coisa certa.

Mesmo nerfado, Superman ainda é extremamente poderoso e, se isso não aparece na maioria das histórias, é por justificação do que é dito nesta cena:

”Eu sinto porquê se eu vivesse num mundo feito de papelão e tomo desvelo estável para não quebrar zero nem machucar ninguém. Eu nunca me permito perder o controle nem por um minuto, pois alguém pode morrer. Mas você aguenta, não é Darkseid?’

O que temos cá é uma rara oportunidade de eu finalmente me soltar e mostrar a você a verdadeira extensão da minha força!”

Lobo

Lobo é o Maioral, o Main Man, o maior badass chutador de bundas da galáxia, um caçador de recompensas com extremo fator de tratamento, sede de sangue e totalmente amoral. Assim porquê Kal-El, ele é o último sobrevivente de seu planeta, mas porque Lobo chacinou a cultura inteira.

Criado por Roger Slifer e Keith Giffen, Lobo era um vilão descartável, mas caiu no palato do público e foi reimaginado porquê um anti-herói, satirizando a hiper-violência e o estilo sombrio dos personagens da DC e da Marvel dos Anos 80. Isso rendeu histórias altamente cômicas, você nunca rirá tanto acompanhando um genocídio. Aliás, é a média, no mínimo um assassínio em tamanho por história, mas em resguardo do Lobo eram todos caras ruins. Ou estavam no caminho. Ou eram os milhares de filhos ilegítimos que se reuniram pra tentar matar o Lobo.

Em termos de poderes Lobo carece de cérebro, mas tem resistência ilimitada a dor, mutilação e álcool. Lobo é basicamente imortal, poder que ganhou depois que morreu, foi para o Firmamento e tocou o terror, chacinando panteões inteiros enquanto Deus assistia a tudo rindo. Lobo foi renegado do firmamento e do inferno e os responsáveis o ressuscitam sempre que necessário.

Doomsday

Doomsday, ou Apocalipse na versão brasileira, é talvez a única indivíduo do Universo de quem o Superman tem pânico fora a Lois quando labareda ele pelo nome completo. Fundamentado em uma indivíduo kryptoniana pré-histórica, Doomsday é fruto de um experimento que pretendia fabricar o ser mais perfeito e adaptável a qualquer envolvente.

250 milénio anos antes do planeta explodir, um investigador estranho chamado Bertron criou um clone com DNA de uma espécie lugar de Krypton e soltou o bebê no meio do mato. Ele prontamente foi morto por predadores. Recolhendo os sobras, Bertron clonou uma versão aperfeiçoada, que durou mais alguns minutos que o anterior.

Ele repetiu o ciclo milhares de vezes, a cada vez o bebê era mais ajustado ao envolvente, e levava consigo a fardo epigenética, carregando a memória das mortes anteriores. Com o tempo, a indivíduo foi se tornando mais e mais poderosa, sobrevivendo por mais tempo e sendo um ser de puro ódio. Doomsday se adaptou para usar pujança solar e não precisar de chuva ou comida. Se regenerava com facilidade e acabou matando o investigador.

Por 250 milénio anos ele vagou pela galáxia, chacinando planetas, sendo morto, regenerando de seus sobras mortais e voltando mais poderoso e imune ao que o matou da outra vez. Superman enfrentou Doomsday e o venceu, mas isso custou sua vida, no famoso círculo A Morte de Superman.

Mogo

Mogo é um planeta. Mogo também é um Lanterna Verdejante. O poder de um Lanterna Verdejante vem de sua força de vontade. Mogo tem a força de vontade de um planeta inteiro. Cada árvore, pássaro, cada peixe, cada bactéria. Toda essa vida combinada forma uma espécie de consciência.

Mogo raramente aparece, ele altera demais a balança de poder, e poucos autores sabem mourejar com ele de forma eficiente.

Darkseid

Darkseid está entre os mais poderosos da DC, por ter sido criado por alguém também poderoso: Jack Kirby. Ele é o vilão principal no círculo 4th World, onde Kirby criou toda a mitologia dos Novos Deuses, Apokolips, Metron, Novidade Gênesis, Sr Milagre, Vovó Clemência e Big Bertha, digo, Barda.

Seu objetivo na vida é conseguir interpretar a Equação Antivida:

Com ela, Darkseid poderá findar com o livre-talante de todas as criaturas, remoldando o Universo à sua imagem, mas mesmo sem ela Darkseid é extremamente poderoso. Capaz de enfrentar fisicamente a Liga da Justiça inteira, ele ainda dispara os Raios Ômega de seus olhos, desintegrando tudo que tocam menos o ocasional Superman.

Imperiex

Ele é pura vigor. Imperiex é a representação física da Entropia. Ele cria o Universo, o acompanha até descobrir imperfeições e, depois do Big Bang, o recria para tentar atingir a sublimidade. Imperiex chamou Doomsday de Bactéria e o reduziu a um esqueleto com um gesto, mas Doomsday depois melhorou.

Depois de destruir várias galáxias, Imperiex volta os olhos para a Terreno, o que força uma coligação profana entre Lex Luthor e os heróis. Ele é uma força cósmica de devastação.

Antimonitor

O Antimonitor é uma indivíduo de um Universo de antimatéria que descobriu a existência do Multiverso e, por ser um ser de puro ódio, passou a destruir planetas, sistemas solares, galáxias e Universos inteiros absorvendo sua existência. Durante os eventos da Crise nas Infinitas Terras, ele foi o responsável pelo projecto de extinguir o Multiverso, eliminando da existência Universos inteiros.

O poder físico do Antimonitor é quase inimaginável, ele matou a Supergirl sem esforço e quase não sente os golpes do Superman. Imortal, caso seja morto, o Antimonitor regenera em seu Universo original. E mesmo assim é quase impossível matá-lo temporariamente, ele já resistiu a uma supernova à queima-roupa.

Parallax

Originalmente, Parallax era o Hal Jordan que havia pirado, mas os editores se tocaram que pegaria mal o face dizimar milhões de vidas, expressar “Foi mal, tava doidão” e permanecer por isso mesmo, logo apelaram para velha desculpa de Star Trek: “Estava possuído por uma entidade maligna estrangeiro”.

Parallax é uma indivíduo de puro susto, com imensas capacidades de controle mental. Tudo que sente temor é sujeito ao controle de Parallax, que havia sido cativo eras detrás na Grande Bateria em Oa, manadeira do poder dos Lanternas Verdes. Chamado de “impureza amarela” era a justificativa para os anéis não funcionarem contra zero com essa cor.

Dr Manhattan

Watchmen foi uma história passada em um Universo próprio, mas depois da minisérie Doomsday Clock que unificou e consertou vários problemas causados pelos Novos 52, o Dr Manhattan faz secção da cronologia solene.

Ele, literalmente, recriou o Multiverso DC, seus poderes são quase infinitos, com sua percepção de tempo não-linear e capacidade de manipulação atômica. Sem muito esforço, ele enfrentou toda a Liga da Justiça e apagou heróis da Existência só para testar e ver o que aconteceria. Dr Manhattan vê o Universo DC quase porquê… Uma obra de ficção.

Os Perpétuos

Os Perpétuos não são deuses. Deuses morrem quando a última indivíduo a confiar neles deixa de subsistir. Perpétuos são personificações de conceitos: Sonho, Delírio, Libido, Morte, Desespero, Sorte e Devastação. Criados por Neil Gaiman na obra-prima Sandman, os Perpétuos são arquétipos. Orientação tem em seu livro tudo que aconteceu ou acontecerá na História do Universo. Devastação é o início e o término de tudo, Sonhos trazem esperança, e ninguém no Inferno vive sem esperança. A Morte? Muito, a Morte estará no término de tudo. Quando o Universo completar, ela colocará as cadeiras em cima das mesas e fechará o salão.

É difícil qualificar o poder dos Perpétuos, pois eles são mais conceitos do que entidades.

Espectro

Quando foi criado, em 1940, Jim Corrigan era um policial que morreu, mas uma Voz no pós-vida o incumbiu de voltar para a Terreno e “destruir todo o mal”. Ele seguiu o caminho-padrão, vestiu uma roupa colante e foi escadeirar em bandido. Reformulado nos anos 80, o Espectro é mais que o alter-ego de Corrigan, ele é uma entidade independente que precisa de um hospedeiro para se manifestar fisicamente.

O Espectro originalmente era um criancinha chamado Aztar, que se uniu à rebelião de Lúcifer mas se arrependeu. Porquê punição, ele passou a simbolizar a Ira Divina. Entre outras coisas, o Espectro tem em seu currículo o assassínio dos primogênitos no Egito.

Seus poderes são basicamente os mesmos de um Deus irritado. Ele é onipresente, controla material e força, materializa objetos criaturas. Ele não mata inocentes (não mais) e poucas criaturas no Universo podem machucá-lo.

Lúcifer Estrela da Manhã

Lúcifer era o mais formoso dos anjos o primeiro entre os caídos. O mais leal servo de Deus, até a rebelião, que ele mais tarde descobriu ser secção do projecto divino inefável, o que só aumentou sua revolta. Por 12 bilhões de anos, Lúcifer reinou no Inferno, até que se cansou, entregou a chave do lugar para Morpheus, se amasiou com a Maze e foi ser possuinte de put… Digo, Night Club.

Ele tem poder de fabricar Universos, mesmo quando o Inferno era um triunvirato, Lúcifer estava somente se divertindo, podendo dizimar todos os outros reis-demônios com um pensamento. Lúcifer é, sem questionamentos, a segunda indivíduo mais poderosa do Universo.

A Presença

A Presença é o equivalente no Universo DC ao One Above All, no Universo Marvel. É Deus, entidade máxima, onipotente, onisciente, onipresente, com poderes e sabedoria infinitos, o início e o ômega. Ele existe em todos os lugares, Ele é cada folha de grama, cada corpúsculo ou fóton nos infinitos multiversos, zero é superior e ninguém é mais poderoso do que A Presença.

Exceto…

Batman, com tempo para se preparar

Batman já venceu o Superman mais de uma vez. Batman enfrentou o Darkseid. Batman não pode ser controlado por Parallax, pois Batman desconhece o susto. Batman derrotou a Liga da Justiça um a um. Tudo que Batman precisa é estudar o inimigo e formular um projecto. Isso pode levar muito tempo e custar uma riqueza. Felizmente, ele tem as duas coisas.

Fonte

Tags , , , , , ,